O que é o Jiu-Jitsu?

A história do Jiu-Jitsu até aos nossos dias





São várias as histórias e as versões que chegam até nós sobre como e onde nasceu o Jiu-jitsu no Oriente, muito antes de Cristo.Porém, como algumas chegam mesmo a ser contraditórias e não sou historiador, das várias investigações que fiz, adaptei da forma que me parece completa e credível.Apesar de se tornar mais popular no Japão, a história do Jiu-jitsu começou na Índia (por isso a cognominação “o berço das artes marciais”) há mais de dois mil anos atrás.

Os monges monastérios indianos eram proibidos pela religião, de se defender com armas. Mas nas suas longas caminhadas, eram atacados por bandidos das tribos mongóis do norte da Ásia, nascendo então a necessidade de defesa corpo-a-corpo.Conhecedores dos pontos vitais do corpo, desenvolveram um tipo de defesa especial para a característico físico do seu povo, baixinho e franzino. Essa espécie de embrião do Jiu-jitsu acabou por atravessar as fronteiras da china e ir para o arquipélago japonês, onde foi desenvolvido, mas conhecido apenas por nobres e samurais. No Japão o Jiu-jitsu, é definido literalmente como “Arte suave”.

Por muito tempo, o Jiu-jitsu foi a luta mais praticada no Japão, até o surgimento do Judo como desporto em 1882, através do Mestre de Jiu-Jitsu, Jigoro Kano. Este retira ao Jiu-jitsu as técnicas traumáticas mais perigosas e eficientes e cria o desporto que hoje conhecemos.
Mas haviam vários estilos de Jiu-jitsu, e na verdade, cada lutador tinha o seu estilo próprio.

O Jiu-jitsu chegou a ser proibido no Japão durante um certo período como crime de lesa pátria.
Com a introdução da cultura ocidental no Japão promovida pelo imperador Mutsu Hito (1867 – 1912), as artes marciais foram esquecidas.
Só mais tarde voltaram a ser valorizadas, quando o ocidente começou a apreciar e a “importar” esse tipo de luta.

 

JIU-JITSU NO BRASIL

O mestre japonês, Mitsuo Maeda conhecido como Konde Koma, foi ao Brasil em missão diplomática, e em Belém, Pará, conheceu Gastão Gracie. Apartir desse momento nasceu uma grande amizade.
Conde Koma em razão de afinidade e favores prestados por Gastão, começou a ensinar Jiu-jitsu ao seu filho, Carlos Gracie, que após aprender a arte, a ensinou aos seus irmãos, em especial a Hélio Gracie. Eles aprimoraram as técnicas aprendidas tornando-as mais eficientes e acessíveis ao tipo físico de qualquer pessoa. Este desenvolvimento foi baseado na introdução de técnicas de alavanca nas técnicas tradicionais japonesas.

O mestre Hélio Gracie refere numa entrevista que colocou um “macaco” (pouca força é aplicada com mta força em pontos chaves do corpo humano, estrangulamentos, chaves de braço, pernas, etc) em cada técnica. Só assim uma pessoa franzina e com pouca força poderia levantar um automóvel pesado.
Assim nasceu o Jiu-jitsu Gracie, também conhecido por Jiu-jitsu Brasileiro, a melhor e mais eficiente forma de auto-defesa do mundo, já provadas, pelos resultados das constantes competições de vale tudo existente no mundo.


 

RECONHECIMENTO A NÍVEL MUNDIAL

Foram vários os combates sem regras em que o mestre Hélio Gracie luta contra outros lutadores para provar a eficiência do Jiu-jitsu, mas só no início dos anos 90, e através de atletas como Royce em campeonatos como UFC (ver video abaixo) e Rickson Gracie é que o Jiu-Jitsu tem finalmente o merecido reconhecimento a nível mundial.
É em combates contra atletas de todas as artes marciais, que os lutadores de Jiu Jitsu demonstram a superioridade da arte que representam, vencendo todas as lutas com finalizações (desistência do adversário).

Como é que era possivel a estes atletas, na maior parte das vezes a lutarem contra outros mais fortes e mais pesados vencerem as lutas, ainda por cima sem chegarem a dar um chuto um pontapé? As lutas terminavam sempre no chão e com a aplicação de uma chave ou de um estrangulamento e a maioria dos espectadores não conseguia entender como era possível

A diferença técnica num combate real era tão impressionante, que hoje qualquer atleta que pratique MMA (vale tudo) tem de treinar Jiu-jitsu. Apesar de haver atletas que representarem uma arte marcialcomo por exemplo o karaté, muai thai, ou boxe, qualquer atleta que queira participar hoje num evento de MMA tem de ter uma boa base de Jiu Jitsu, pois é a única arte marcial que fornece o complemento fundamental da luta de chão. O Jiu-Jitsu que a família Gracie aperfeiçou e demonstrou para o mundo. O que começou como um evento que servia para demonstrar a eficácia do Jiu Jitsu é hoje um negócio que envolve milhões de espectadores. Se hoje qualquer espectador de MMA sabe o que é uma “arm-bar” (chave de braço) ou um triângulo, podemos agradecer à família gracie por ter mostrado ao mundo a eficácia do Jiu Jitsu através dos eventos de MMA.

 

JIU-JITSU COMO DESPORTO

O Jiu-Jitsu hoje no entanto difunde-se como um desporto, tem regras e consequentes limitações, mas continua a ser uma arte marcial completa e altamente eficaz.
O lutador de Jiu-Jitsu, apesar de não ter o conhecimento de projeções que um lutador de Judo tem, e não ser especializado em chutos ou socos como o lutador de Karate, tem conhecimentos dos fundamentos dessas técnicas para as saber evitar e contra-atacar, para além de um treino único e especializado de combate no solo, coisa que nenhuma outra arte marcial tem, e que faz do Jiu-Jitsu a luta que mais se equivale a um combate real, porque verdade é que numa situação onde dois adversários não são lutadores profissionais, a probabilidade de um KO é bastante inferior à probabilidade de os

É necessário salientar o notório trabalho da Federação Internacional de Jiu-jitsu Brasileiro no desenvolvimento do desporto, que, com provas regulares organizadas pelo mundo inteiro, e um conjunto de regras abragentes e eficazes tem trabalhado e divulgado o Jiu-jitsu a um nível cada vez superior. Cada vez mais estes eventos desportivos atraem mais atletas, espectadores e patrocinadores.

Além da aprendizagem de defesa pessoal, a prática deste desporto traz benefícios para o seu corpo a nível de definição muscular, capacidade cardiovascular e aeróbica.
Além disso, ao frequentar as aulas de Jiu-jitsu, o atleta liberta totalmente todo o stress acumulado no dia-a-dia no trabalho ou na escola, o que também contribuí para o aumento dos níveis de concentração e autoconfiança, e bem estar fisico e psiquico. A prática do Jiu-Jitsu é aconselhada a todas as pessoas, independentemente de sexo ou idade. Prova disso é que homens mulheres e crianças de todos os continentes praticam o Jiu-Jitsu.

O Jiu-Jitsu, na minha opinião só tem um “problema”…

É viciante!!!

Mas é um vício muito saudável!!